[Review] AAA – Arnaldo Antunes – Acústico MTV
4/5
Postado em por raphaelpousa
Em: Reviews

A fórmula é batida. A MTV é batida. Os Titãs são batidos. Há 20 anos Arnaldo Antunes deixava os Titãs e decretava-se o fim da banda, ou 50% já que o Nando Reis ficou lá por um tempo. Arnaldo é um dos compositores mais requisitados da “nova” MPB. É um dos músicos mais inventivos que se tem no Brasil.

Há algumas semanas lançou seu Acústico MTV com a velha fórmula da emissora, que fez muito sucesso na década de 90 (até mesmo redescobrindo o Titãs em 98).

Arnaldo revive 30 anos de carreira neste disco. Porém, mesmo sendo uma repetição da fórmula o disco soa agradabilíssimo. Soa tribalista, soa titã, soa poesia, soa, principalmente harmonia. Os arranjos fazem do disco muito mais que o próprio disco, a voz do Arnaldo é um mero encaixe entre as músicas. E tudo isso pendente por quem? Por uma excelente, nova e brilhante banda: Edgar Scandurra, Marcelo Jeneci, Curumim, Chico Salem e Betão Aguiar. E a direção do Liminha. Não tinha como sair um trabalho ruim, muito menos mediano.

O disco começa com a dupla “A casa é sua”  e “A nossa casa“, ótima sacada unindo essas duas músicas, onde a primeira não falta nada na casa só falta a pessoa amada. A segunda já é uma casa com o amor dentro. Duas músicas totalmente lúdicas, ornando com o impecável cenário do show.

“Dentro de um sonho” a primeira, das duas, inéditas apresentadas no disco é uma das poesias mais bonitas da safra do Arnaldo: “Quando se encontra alguém dentro de um sonho, e esse alguém não sabe aonde está, fica num labirinto de saudade, vendo miragem…”.

“De mais ninguém” gravada pela Marisa Monte. Um tango mais ritmado, o avesso da gravação da tribalista.

“Alma” composição eternizada por Zélia Duncan, acompanhado por Moreno Veloso. O mesmo Moreno toca violoncelo no ponto alto do disco, em “Até o fim”, música já gravada por Maria Bethãnia.

“Socorro”  com um arranjo bonitão de metal e piano. Música do Arnaldo com a grande Alice Ruiz.

“Hereditário” e “Comida” visitam a época Titã.

“O seu olhar” música dele com Paulo Tatit, conta com a gratíssima voz de Nina Becker.

Há também a passagem pela fase tribalista em “Passe em casa”.

“Ligado em você” a outra música inédita, mas muito inferior à primeira.

O disco fecha com “Envelhecer” das músicas mais divertidas de Arnaldo e Jeneci, gravada no disco IêIêIê.

“eu quero estar no meio do ciclone
pra poder aproveitar
e quando eu esquecer meu próprio nome
que me chamem de velho gagá”

Enfim, a fórmula da MTV não está ai para provar nada, nem querer mostrar um novo trabalho de um artista de peso ou querer “ressuscitar” como todos pensam. Este disco do Arnaldo vem pra mostrar a extrema qualidade e amor à música e à poesia que ele tem. Não fãs de Titãs, do Arnaldo, da MPB e dos tribalistas, este cara necessita ser escutado.


-POST RELACIONADOS-